Menu Right

Top Social Icons

Publicidade
Publicidade
18 9 99631 6205
WhatsApp
WhatsApp

terça-feira, 6 de outubro de 2020

DUAS GRANJAS DE BASTOS REGISTRAM A MORTE DE 35 MIL GALINHAS POR CAUSA DO CALOR

As altas temperaturas registradas nos últimos dias têm provocado a morte de mais de 30 mil galinhas em Bastos (SP), cidade que tem a maior produção de ovos do estado de São Paulo.

Atualizado 06/10/2020 ÀS 10:10

DUAS GRANJAS DE BASTOS REGISTRAM A MORTE DE 35 MIL GALINHAS POR CAUSA DO CALOR

Em uma das granjas do município, que tem um plantel de 800 mil aves, produtores relataram que 30 mil morreram por causa do calor. Em outra, de 35 mil, pelo menos 5 mil galinhas perderam a vida para as altas temperaturas.

Os avicultores disseram que nunca viram um calor tão forte que durou por tanto tempo na cidade. De acordo com o Inmet, Bastos registrou temperaturas acima de 40ºC nesta semana, chegando a atingir 41,4ºC neste sábado (3). Além disso, a umidade relativa do ar está complicada, ficando abaixo de 9% em alguns momentos.

Por causa disso, os produtores relataram que as galinhas estão se alimentando menos e bebendo mais água, o que faz elas botarem ovos menores e em menos quantidade. A estimativa é de que 30% da produção deve cair por conta disso.

As granjas de Bastos comandam 36% da produção do estado, segundo a Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Com a produção menor, os produtores informaram que o preço do produto deve subir nos próximos dias.

Para tentar amenizar o calor e, consequentemente, o prejuízo, os avicultores estão jogando água com um produto à base de eucalipto nas galinhas. Porém, segundo o avicultor e veterinário Sérgio Kakimoto é preciso ter cuidado com o vapor que esse sistema pode gerar.

"A combinação do forte calor e da baixa umidade relativa do ar que chegou a 9% em alguns dias tem sido fatal para as galinhas e a ventilação nem sempre funciona porque o ar quente pode sufocar as aves."

Ainda segundo Sérgio a morte de tantas galinhas não acontecia desde 2012. Na época, as aves morreram em um único dia de muito calor, dessa vez o problema se arrasta há pelo menos uma semana, desde o início da onda de calor na região.

Fonte:G1

close button
Anuncie