Menu Right

Top Social Icons

Publicidade
Publicidade
18 9 99631 6205
WhatsApp
WhatsApp

quinta-feira, 23 de julho de 2020

Alckmin é denunciado sob acusação de corrupção, lavagem de dinheiro e caixa dois eleitoral

POLÍTICA

 Dá redação 
Atualizado 23/07/2020 às 09:44 

Alckmin é denunciado sob acusação de corrupção, lavagem de dinheiro e caixa dois eleitoral

                                                              Foto-Agencia Brasil

O ex-governador é suspeito de receber R$ 11,3 milhões da Odebrecht nas campanhas eleitorais para o Governo de São Paulo de 2010 e 2014
foto

Geraldo Alckmin foi denunciado por corrupção, lavagem de dinheiro e caixa dois eleitoral
Foto: Agência Brasil
O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) foi denunciado nesta quinta-feira (23) sob acusação de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral (caixa dois).

A ação foi apresentada pelo Ministério Público de São Paulo no âmbito da chamada Lava Jato Eleitoral, um desdobramento da operação no estado.

De acordo com a Promotoria, Alckmin recebeu R$ 2 milhões em espécie da Odebrecht na campanha ao Palácio dos Bandeirantes de 2010 e R$ 9,3 milhões quando disputou a reeleição, em 2014.

As investigações foram iniciadas com base nas delações da Odebrecht e aprofundadas com outros elementos de prova pela Polícia Federal.

A acusação do Ministério Público diz que os recursos não foram registrados nas prestações de contas de Alckmin, que teria solicitado e recebido vantagens indevidas pagas ​pelo setor de operações estruturadas da Odebrecht (o setor de propina) por meio de doleiros.

"Esses recursos destinavam-se, num primeiro momento, ao financiamento eleitoral indevido (não declarado) e, num momento seguinte, pós eleições, à manutenção da influência do grupo empresarial junto ao governo", diz a Promotoria.

Em 2010 e 2014, o grupo Odebrecht não podia fazer doações eleitorais porque controlava a concessionária que administrava a rodovia Dom Pedro 1º e porque participou do consórcio da Linha 6 do Metrô.

Procurado por meio da assessoria, o ex-governador ainda não se manifestou.

Na semana passada, o ex-governador foi indiciado pela Polícia Federal sob suspeita da prática dos crimes de corrupção passiva, falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro. Também foram indiciados o ex-tesoureiro do PSDB Marcos Monteiro e o ex-assessor de Alckmin Sebastião Eduardo Alves de Castro.

O indiciamento teve como base a delação de ex-executivos da Odebrecht, além de análises periciais no sistema de informática da empreiteira, de extratos telefônicos, de conversas pelo aplicativo Skype, de documentos, de ligações telefônicas e de outras delações.

Veja mais noticias em: Adamantina noticias
close button
Anuncie