Menu Right

Top Social Icons

Publicidade
Publicidade
18 9 99631 6205
WhatsApp
WhatsApp
Publicidade

terça-feira, 4 de janeiro de 2022

Recém-nascida é encontrada morta dentro de saco de lixo e mãe é presa em flagrante por infanticídio

Corpo da criança apresentava ferimentos provocados por instrumento perfurocortante. Crime foi em Presidente Prudente, nesta segunda-feira (3).

Atualizado

Por: G1 04/01/2022 às 09:03

Recém-nascida é encontrada morta dentro de saco de lixo e mãe é presa em flagrante por infanticídio
Faca possivelmente usada no crime foi apreendida pela polícia — Foto: Polícia Civil/Cedida

Uma mulher de 30 anos foi presa em flagrante por infanticídio, em Presidente Prudente (SP), nesta segunda-feira (3). Ela é acusada de matar a própria filha recém-nascida em sua casa, no Residencial Tapajós. Uma faca, possivelmente utilizada no crime, foi apreendida.


Em relatório preliminar de exame necroscópico foi apontado que a vítima era recém-nascida, do sexo feminino, cor branca, medindo 50 cm de altura, e que o corpo apresentava múltiplos ferimentos causados por instrumento perfurocortante.


“Apurou-se, ainda, que a examinada [criança] respirou após o nascimento (nasceu com vida) e que a causa da morte foi politraumatismo em decorrência de ferimentos por instrumento perfurocortante”, diz o laudo.


Uma faca foi apreendida pela Polícia Científica durante o trabalho pericial na casa onde ocorreu o crime.


Conforme consta no boletim de ocorrência, todos os elementos apresentados, em especial, as oitivas dos policiais e de uma testemunha, indicam o crime de infanticídio.


O delegado ainda levou em consideração que o crime foi logo após o nascimento da criança. Ele cita que o "estado puerperal da autora como elemento presente quando o cometimento do crime". "É a situação em que a mulher, sob o trauma da parturição e dominada pelos elementos psicológicos, pratica a morte do recém-nascido", explicou.


No boletim de ocorrência, ele também enfatizou que a conduta da mulher "ocorreu logo após o parto, o que faz presumir estar ela sob a influência do estado puerperal, já que este é o efeito costumeiro de qualquer parto, não depende o seu reconhecimento de prova pericial".


Os fatos

A princípio, a Polícia Militar foi acionada para “auxílio à gestante” em uma casa do bairro Tapajós. Quando a equipe chegou ao local, constatou que a então gestante havia sido socorrida ao Hospital Regional e foi recebida por uma testemunha.


Dentro da residência, os militares constataram muitas manchas de sangue em vários cômodos e móveis, além de garrafas de vidros estilhaçadas e uma faca que estava em cima da pia do banheiro.


Posteriormente, os policiais visualizaram um saco de lixo de cor preta e dentro dele o corpo de um bebê, em óbito.


Depois dos trabalhos periciais, os policiais constataram que “a vítima apresentava múltiplas lesões similares àquelas produzidas por faca”.



Mensagens


Segundo o boletim de ocorrência, a testemunha relatou que sua prima havia entrado em contato por mensagens, “informando que teria sofrido um aborto, e que estava sangrando muito, com desmaios”. A mulher foi ao local e solicitou auxílio de uma Unidade de Resgate.


A testemunha acrescentou, em sua versão à polícia, que por volta de 13h recebeu mensagens da prima via WhatsApp. “Ela dizia ter sofrido um aborto, e que a casa estava com sangue, e que ela também estava com dor”, que “estava muito fraca e que precisava que [a prima] fosse ao local”.


Quando a testemunha chegou à casa, abriu a porta e assim que entrou viu a suspeita nua e deitada no sofá na sala. “Percebeu que ela estava pálida e com os lábios esbranquiçados. A testemunha notou, ainda, que o interior da casa estava cheio de sangue”, segundo o registro policial.


A mulher foi questionada e declarou ter sofrido um aborto e desmaios.


Equipes da Polícia Civil estiveram no local do crime e verificaram também que o cadáver da recém-nascida apresentava sinais de violência corporal.


“Entrevistada no HR, a autuada informalmente admitiu a prática delitiva, aduzindo que foi tudo muito rápido e não sabia o que fazer”, consta no registro policial.


A mulher ainda não foi interrogada devido a estar sob atendimento médico-hospitalar no Hospital Regional.


Por meio de nota, o HR afirmou que a paciente deu entrada no Pronto-socorro do hospital por volta das 17h desta segunda-feira (3). "Neste momento ela permanece em observação pela equipe médica e multiprofissional e seu estado de saúde é considerado estável", informou.

close button
Anuncie